fbpx
Escolha uma Página

Não nos restam dúvidas de que a internet veio para revolucionar as ações publicitárias. Isso porque a web trouxe uma infinidade de formas de trabalhar as marcas, fazendo com que elas se tornem conhecidas de seus clientes e, consequentemente, vendam mais.

No entanto, isso não quer dizer que as mídias tradicionais podem ser totalmente abandonadas ou, muito menos, que não sejam mais feitos investimentos em televisão na estratégia de comunicação.

A TV ainda é muito relevante para as campanhas de marketing — e, a seguir, vamos provar isso para você! Listamos 7 razões para se fazer investimentos nesse importante veículo de comunicação que segue em alta no mercado e ainda é assistindo pela maioria das pessoas. Acompanhe!

1. A TV soube evoluir e interagir com a internet

A televisão não parou no tempo, pois ela soube acompanhar a evolução do público e, hoje, utiliza a internet para difundir seus conteúdos. Exemplo disso acontece com a Rede Globo, que lançou o aplicativo Globo Play, no qual disponibiliza seus programas na íntegra para os internautas assistirem on-demand.

Além disso, podem ser adotadas narrativas transmídia, ou seja, que transitam de uma mídia para outra, conforme propõe o teórico Henry Jenkins. A novela Carinha de Anjo, do SBT, por exemplo, tem uma personagem youtuber, Juju Almeida, que é interpretada pela atriz Maisa Silva.

O canal do YouTube, Vlog da Juju, existe de verdade. Ele traz mais conteúdo na internet para o telespectador que acompanha a narrativa exibida na TV, o que, consequentemente, gera uma continuidade da jornada do cliente, pois anúncios podem ser feitos em ambos os canais.

2. As emissoras de televisão têm qualidade imbatível

A qualidade e a infraestrutura que as emissoras de TV têm para conceber, criar e produzir programas são imbatíveis.

No Brasil, essa característica é ainda mais acentuada, pois algumas das maiores produtoras de conteúdo do mundo estão situadas no país. Prova disso é que a Rede Globo e a Record TV produzem novelas e séries que são vendidas e exibidas para diversas partes do globo.

A maior evidência de que a qualidade dos produtos de TV é imbatível é o fato de eles serem muito comentados na internet. É comum que realities shows como o Master Chef e o Big Brother Brasil ocupem boas posições nos trending topics do Twitter em seus dias de exibição.

3. As pessoas preferem telas maiores

Embora o digital tenha popularizado o acesso a diversos dispositivos para o consumo de conteúdo, como tablets, smartphones e até relógios, grande parte das pessoas ainda prefere telas maiores para assistir a um filme, uma série ou uma partida de futebol.

Se todos se contentassem com visores pequenos, as TVs de tela grande não seriam as mais vendidas das lojas e os cinemas já teriam fechado as portas, não é mesmo?

4. A TV tem o poder de gerar lembranças

Se falarmos em comerciais de TV icônicos que marcaram época, certamente você listaria vários deles, concorda? O garoto propaganda da Bombril, os mamíferos da Parmalat e o primeiro sutiã da Valisere, entre outros clássicos da publicidade nacional, fazem parte da memória afetiva e do imaginário da população.

Já a internet é excelente para ações de relações públicas e de interação com os consumidores. Porém, ainda há pouca efetividade quando falamos em branding e recall, ou seja, o poder de persuadir e de registrar momentos e imagens de forma marcante na mente do público.

5. A audiência é consolidada

De acordo com uma reportagem realizada pela revista Mundo Estranho, o Brasil tem cerca de 39 milhões de domicílios com telespectadores. Dentre essa quantidade, o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) instala equipamentos em uma parcela das residências, o que permite mensurar o que as pessoas estão assistindo.

O sistema de medição do Ibope é confiável, sério e tem uma tradição que faz com que os anunciantes de programas de TV saibam se o horário que eles ocupam é bastante assistido por pessoas que fazem parte de seu público-alvo.

Os indicadores do marketing digital, por sua vez, ainda são recentes e um pouco frágeis. Isso porque eles estão em constante transformação, podendo gerar apenas métricas de vaidade se não foram bem trabalhados.

6. A TV está presente em 99% dos lares brasileiros

Em 2017, a revista Carta Capital publicou uma pesquisa desenvolvida pelo CETIC.br, que revelou que apenas 54% da população brasileira tem acesso à internet. O mesmo estudo concluiu, ainda, que aproximadamente 95 milhões de brasileiros não têm nenhum tipo de conexão em suas casas, nem mesmo por meio do celular.

Já a televisão está presente em 99% dos lares. E é por isso que, para determinados públicos, vale mais a pena apostar em anúncios televisivos do que em ações na internet.

7. Uma marca precisa estar presente em todas as plataformas

As pessoas estão envoltas a uma infinidade de meios para consumir conteúdo. Portanto, algumas possibilidades que podem ser exploradas para promover as marcas são:

  • canais de TV aberta e fechada;
  • programas produzidos para a internet de forma amadora;
  • plataformas de streaming, como o Netflix;
  • rádio;
  • portais de notícias;
  • jornais impressos, entre outros.

Essa quantidade de opções faz com que mudanças ocorram no comportamento do consumidor e diversos nichos de público surjam. Assim, a mesma empresa que vende seu produto para alguém que apenas assiste a vídeos no YouTube pode vendê-lo para um telespectador assíduo de novelas na TV.

O ideal, portanto, é que sejam feitos testes e pesquisas para encontrar os públicos, entender onde essas pessoas estão e, dessa forma, produzir conteúdo ou anunciar em todas as plataformas que forem impactantes e relevantes para a marca.

Conseguiu entender por que é preciso considerar a televisão na estratégia de comunicação de uma marca mesmo na era digital? Então, não exclua essa importante mídia de sua estratégia de marketing e siga colhendo bons resultados com a publicidade nos canais certos.

E, para você obter ainda mais resultados positivos em suas ações, que tal descobrir quais são os 13 passos para fazer campanhas de marketing off-line de sucesso? Boa leitura e até a próxima!

Share This